sábado, março 12, 2005

11 De Março

Fez ontem um ano que milhares de pessoas das mais diversas nacionalidades, de manhã cedo, tomaram 4 comboios com destino a Madrid
Muitas dessas pessoas saíram de casa, uns para ganhar o seu sustento e da família, outros para estudar com vista à valorização pessoal e outros, talvez, para tratar de assuntos das suas vidas pessoais.
Muitos despediram-se com um beijo, com um abraço dos amigos e dos familiares e talvez tenham dito “ Até logo “.
Muitos deles que viajavam nos 4 comboios pensavam num futuro mais risonho, nos sonhos que queriam concretizar, nas amizades que queriam consolidar. Muitos talvez discutissem o momento político que a Espanha atravessava (era um período de campanha eleitoral).
De repente, as viagens foram interrompidas por 10 engenhos explosivos, colocados nos 4 comboios.
Desse acto de selvajaria, de cobardia e de barbárie ficaram feridas 1900 pessoas e 192 morreram (uma delas com 7 anos-Patricia, que não soube porque morreu).
Para essas 192 pessoas, os sonhos volatilizaram-se, os planos de vida ruíram e os projectos pessoais caíram estrondosamente.
Temos que reconhecer que a vida é muito fugaz, é uma luz que se apaga de repente.
O passado não existe e o futuro também não.
Não vale a pena chatearmo-nos muito, pois apenas existe o AGORA