quinta-feira, junho 30, 2005

SARCÓFAGO MEDIEVAL


Sarcófago de inserção parietal, monolitico, sem tampa.A face principal, emoldurada por um sulco em 3 lados, está armoirada com 4 brasões de escudo nacional. A ausência de representação de esmaltes e metais, não permite identificar, correctamente a familia evocada. O sarcófago pode datar do sec XIV. Encontra-se em exposição nos Claustros do Mosteiro de Arouca

IVA (Isto Vai Abaixo)

Amanhã, a maioria das transacções vão sofrer um aumento do IVA para 21%.

As famílias das classes média e baixa vão suportar, com muita dificuldade, mais este agravamento suplementar nas aquisições de combustíveis, vestuário, calçado, comunicações, energia, automóveis etc.

Calcula o INE que para uma família com 1 filho jovem, o acréscimo da despesa por ano no cabaz dos bens essenciais vai representar 74 euros.

Se a taxa do IVA for aplicada em todas as transacções, calcula-se que, por cada 1% de aumento do IVA, o Estado arrecada por ano cerca de 550 milhões de euros.

Acontece que a fuga a esta tributação a 21% vai aumentar muito mais e a receita final obtida vai ficar aquém do previsto.

Calcula-se que a economia paralela (que mina o funcionamento da economia) no nosso País representa 20% do PIB, qualquer coisa como 25 a 30 mil milhões de euros. É muita massa a fugir à tributação fiscal.

Se a taxa fosse mais baixa, a maior parte dos consumidores e das empresas não fugiam tanto ao imposto do IVA.

Assim com o IVA a 21% agravamos a situação competitiva do País, mormente face à Espanha, onde a taxa mais elevada é de 16%.

Tenho azar em não viver, por exemplo, em Valença. Bastava andar 2 Kms e adquiria produtos mais baratos.

Diz o Governo que o acréscimo da taxa do IVA, vai ser canalizado para garantir a sustentabilidade da segurança social. Oxalá que assim seja, para que os nossos filhos, daqui a uns anos, tenham as reformas adequadas a um razoável nível de vida.

Se o acréscimo for para alimentar o peso mastodôntico da Administração Pública (que já absorve 50% do PIB), estou contra.

Com este IVA (Isto Vai Abaixo)

quarta-feira, junho 29, 2005

QUEM AVISA . . AMIGO É

Ontem, na cidade da Maia, registou-se um incêndio no 9º andar dum prédio, encurralando 3 pessoas.

Os bombeiros chamados para a operação de socorro, apesar dos esforços feitos, só conseguiram resgatar as pessoas passadas 2 horas.

O resgate podia ter sido mais rápido se fosse possível usar a auto-escada dos bombeiros.

Acontece que a auto-escada só pode atingir o 8º andar dum prédio, no caso do ataque ao sinistro se fazer frontalmente. Se o ataque tiver que ser feito lateralmente, a auto-escada só chega, no máximo até ao 7º andar, pois a inclinação da escada não pode ser superior a 75% por questões de segurança e operacionalidade.

Já tenho lido mais vezes notícias como esta

CONSELHO
Se estiver interessado em comprar apartamentos, adquira-os abaixo do 7º andar.
Se for proprietário dum apartamento em andar superior ao 7º andar, desfaça-se dele.

CASA DO DR. SIMÕES


Foi nesta casa situada no Largo do Agualva, em Arouca, que viveu o Dr. Manuel Rodrigues Simões Júnior, nascido em 11 de Setembro de 1891 em Anadia.

Formou-se em Medicina na Universidade de Coimbra, no dia 6 de Junho de 1916, com a classificação de 19 valores.

Fixou-se em Arouca onde trabalhou como médico de clínica geral e como Delegado de Saúde.

Do seu casamento com D.Maria Luiza de Figueiredo Sobrinho Simões nasceu o Dr. Manuel Sobrinho Rodrigues Simões.

O Dr. Simões aposentou-se em 20 de Agosto de 1962 e faleceu em 15 de Abril de 1972.

Foi um coleccionador de raridades bibliográficas, de mobiliário antigo português e dedicou muito do seu tempo livre ao estudo da etnografia e da arqueologia.

Foi o primeiro Director do Museu de Arte Sacra de Arouca. O empenho que colocou à frente do Museu fez com que ele crescesse e se valorizasse imenso. Nos tempos de hoje é um dos mais prestigiados Museus privados existentes em Portugal.

O Dr. Simões Júnior foi um dos maiores vultos da cultura arouquense

terça-feira, junho 28, 2005

MENINOS DA RODA


No Convento de Arouca existia um serviço de carácter social, destinado a acolher crianças que eram abandonadas pelos Pais.

Todos os dias era destacada uma Freira para junto da "RODA". A Freira ficava recolhida, sem possibilidade de ver para o exterior do Mosteiro.

Quando uma pessoa se via obrigada, pelas mais variadas circunstâncias, a entregar um nascituro ao cuidado do Mosteiro, dirigia-se ao Convento, rodava a estrutura circular de madeira e aí depositava a criança.

Depois tocava uma sineta para avisar e retirava-se.

A Freira destacada para a "RODA", deixava passar sempre um certo tempo para que a pessoa pudesse desaparecer incógnita para sempre e, então recolhia a criança.

Daí a designaçao popular de "MENINOS DA RODA"

segunda-feira, junho 27, 2005

CARIDADE HIPOCRITA


Os EUA e a Inglaterra vão propor aos restantes Países do chamado "G8 "( 7 Países mais industrializados mais a Rússia) que, na próxima reunião do Grupo, na Escócia, nos dias 6 e 7 de Julho, seja perdoada a divida de 18 Países afro-latino-americanos, no valor de 40 mil milhões de euros.

Nota tristemente curiosa- os EUA gastaram em despesas militares, durante 2004, cerca de 500 mil milhões de dólares.

Os Países propostos para perdão das dívida são: Benin, Burkina-Faso, Etiópia, Gana, Madagáscar, Mali, Mauritânia, Moçambique, Níger, Ruanda, Senegal, Tanzânia, Uganda, Zâmbia, Bolívia, Guiana, Honduras e Nicarágua.

Os Países pobres obrigam-se a ter um programa de combate à corrupção e estarem bem encaminhados para o estabelecimento duma democracia tipicamente ocidental.

Não está definido se a divida a perdoar é apenas a que estes Países pobres devem aos Países integrantes do G8 ou se são todas as dívidas caucionadas pelo Banco Africano do Desenvolvimento, pelo FMI e pelo Banco Mundial.

No caso de ser perdoada a divida total, Portugal perde 2,5 mil milhões de euros só com os encargos de Cahora Bassa. Se ninguém nos pagar este valor, lá vai o nosso deficit sofrer mais um forte abanão.

Todos nós sabemos que quase todos estes Países pobres foram e continuam a ser vítimas de guerras fratricidas.

Acontece que os Países do G8 exportam 84% do armamento mundial e muito deste armamento serviu para alimentar a guerra em muitos destes pobres Países e que ajudaram a criar mais de 20 milhões de refugiados.

As guerras nestes Países causaram a fome, a miséria e a pobreza. Segundo a UNICEF a pobreza mata uma criança no Mundo, em cada 3 segundos.Quando acabar de ler este post, terão morrido, no Mundo, cerca de 30 crianças vitimas desta " ESTUPIDEZ HUMANA "

Tal como foi regulado o comércio mundial para os produtos industriais, deve acabar-se com esta "lei da selva" do comércio mundial de armamento.

Os Países do G8 venderam armamentos para causar a morte, fomentar os ódios e criar enormes focos de pobreza e agora " bonzinhos" vão perdoar as dívidas.

Por isso intitulei este post " CARIDADE HIPOCRITA "

sábado, junho 25, 2005

CASA BRASONADA DO BURGO


Casa brasonada situada na freguesia do Burgo, a 2 Kms da Vila de Arouca, à margem da EN224. A construção é do século XIX e foi usado granito da região. O brasão apresenta um escudo francês e elmo voltado à direita. A composição é esquartelada I Barbosas II Teixeiras III Pintos IV Fonsecas.
Em 18 de Julho de 1813 o proprietário desta casa- Bernardino António Teixeira Vaz da Fonseca Pinto foi nomeado Capitão-Mor de Arouca.
Presentemente esta casa brasonada pertence à Família Vaz Pinto, muito conhecida nos meios políticos e sociais. de Lisboa.

VENCIMENTOS DOS POLITICOS

Ultimamente, um dos temas que tem animado as conversas de muitos portugueses prende-se com os “vencimentos chorudos” auferidos pelos nossos Ministros.

Temos 16 Ministros a quem cabe a tarefa ciclópica de resolver os problemas de 10 milhões de portugueses nos domínios das finanças públicas, da educação, da economia, da segurança, da justiça, da agricultura, do trabalho e segurança social, da saúde, do ambiente, do ensino superior, das obras públicas, da defesa etc.

Para as responsabilidades que pesam sobre essas pessoas os “ VENCIMENTOS QUE RECEBEM”, são irrisórios e ridículos.

Ninguém fala que há dezenas de jogadores de futebol e um seleccionador nacional que ganham 10 vezes mais que um Ministro do Governo Português e que há centenas de jogadores de futebol e muitos dirigentes desportivos que ganham 5 ou 6 vezes mais do que os Ministros de Portugal.

Se ao menos os jogadores praticassem bom futebol, marcassem golos, produzissem belos espectáculos dentro do campo, a alegria dos adeptos podia servir de justificação para os ordenados auferidos pelos jogadores.

No entanto, se olharmos ao modo como decorreu o último campeonato da Superliga, sou de opinião de que, na generalidade, a maior parte desses jogadores não merecia receber, ao fim do mês, os vencimentos chorudos fixados nos contratos milionários que celebraram com os clubes.

Cada pontapé na bola em jogos oficiais saem, talvez, a 500 euros e cada golo marcado deve custar mais de 20.000 euros

Tudo é muito relativo, mas há coisas que são mais relativas do que outras.

E MAIS NÃO DIGO.

sexta-feira, junho 24, 2005

RAÇA AROUQUESA


Foi a Terra de Arouca que deu o nome a esta raça bovina que, outrora, ocupava a região que vai do Marão às margens do Zézere

É de corpulência meã, com cascos rijos para poder deslocar-se, facilmente, no terreno pedregoso da Serra.

É rústica, mas sociável. Vemo-la a pastar por entre rebanhos de ovinos e de caprinos.

Alimenta-se em pastoreio directo, quase diário. Sai dos currais de manhã, só ou em grupo, vai andando pela Serra, comendo carqueja, tojos, urzes, gramíneas e algumas leguminosas que apareçam.

É pouco exigente tanto na comida, como na dormida. Raramente come rações (só quando não puder sair para a Serra devido à neve)

É uma raça de trabalho - acarreta os estrumes, a lenha, a madeira e lavra as terras.

É uma raça manteigueira - a produção de leite ronda os 1.200 litros (metade das raças turinas ) em lactações de 300 dias, mas o teor butiroso médio é superior a 5%.

A raça arouquesa produz carne de excelente qualidade.

Há alguns restaurantes, em Arouca, especializados em servir pratos com base em carne arouquesa. Sobretudo ao fim de semana, deslocam-se a Arouca centenas de pessoas para se deliciarem com a gastronomia da " carne arouquesa " - vitela assada no forno, posta e costeletão.

CARNE AROUQUESA = SÍMBOLO DE QUALIDADE

SECA EM PORTUGAL


Segundo a Associação Portuguesa de Recursos Hídricos " temos mais água que a Espanha ", mas confrontamo-nos com a má gestão deste recurso e com a falta de planeamento. Isto é evidente, quando olhamos para Alqueva.

Portugal deve dispor de reservas estratégicas de água, instalando albufeiras em rios totalmente nacionais (já que muitos rios ibéricos apresentam elevados indices de poluição devido sobretudo ao tipo de agricultura intensiva praticada em Espanha) com adequada capacidade de armazenamento. A capacidade de armazenamento de água em Portugal é ridícula, pois estamos atrasados décadas, relativamente aos nossos vizinhos.

Portugal tem necessidade de 7,5 mil milhões de m3 anuais de água.

Há projectos de grandes barragens, que custam a avançar devido à teia burocrática. O Alto Côa e o Baixo Sabor, por exemplo, não avançam, pois já vão no 3º Estudo de Impacte Ambiental.

Os fundamentalistas põem-se em campo, pois são apologistas de que "o óptimo está no nada fazer". Muitos deles pertencem à Associação de " NAO-FEITORES ".

Como não temos "reservas estratégicas de água", recorremos muito às reservas subterrâneas, particularmente em períodos de seca. Só que essas reservas subterrâneas não ultrapassam os 7 a 8% dos nossos recursos hídricos. A continuarmos assim, vamos esgotar os aquíferos e provocar a salinização nos aquíferos junto à costa.

O fenómeno da seca vai repetir-se e agravar-se. Nos últimos 15 anos, Portugal já teve 4 períodos de seca. Quando chove em demasia, a água corre direitinha para o mar, sem qualquer utilidade, chegando, em alguns casos, a provocar inundações e destruições.

Para além de nos habituarmos a consumir racionalmente a água disponível, temos que actuar, principalmente, em duas áreas:
1 - A agricultura gasta 70% da água doce existente no Mundo. Os sistemas de irrigação são ineficientes, ocasionando perdas de aproximadamente 60% (fazem-se regas nos períodos de maior calor, o que ocasiona grande evaporação de água).
2 - Da água captada para distribuição domiciliária perde-se cerca de 40% nas redes de canalização.

Portugal se não quiser ter problemas de auto-suficiência de água, tem que agir correctamente - racionalizar os consumos, combater os desperdícios e aproveitar os rios nacionais para armazenar água nos tempos de abundância e para a ter disponível para momentos de escassez.

Como estamos a ver pelas notícias difundidas hoje, não podemos contar com os rios ibéricos pois, em anos de seca, a " HIDRO-DIPLOMACIA " com Espanha funciona com algumas limitações e estrangulamentos.

quinta-feira, junho 23, 2005

EURO 2004


Faz agora um ano que viviamos a euforia do Euro 2004. Foi uma época em que tinhamos um pensamento positivo e acreditavamos em nós. Esta foto foi tirada no Cais de Gaia em 11 de Junho de 2004 Posted by Hello

FOGOS FLORESTAIS




Com temperaturas acima de 35 graus, há sempre incêndios florestais e estes serão mais violentos se existir a associação de ventos com velocidades elevadas.

Portanto, podemos concluir que nestas circunstâncias, os fogos florestais são inevitáveis em Portugal, bem como na Europa mediterrânica, dadas as características climáticas especificas.

Acontece, porém, que os fogos florestais podem ser minimizados, se forem tomadas medidas preventivas adequadas:
1 - Manter as matas limpas. Um incêndio rasteiro cruza a floresta e não a destroi. Tal só acontece se o fogo atingir as copas das árvores e aí será a devastação total.
2 - Localização atempada dos fogos através dos postos de vigia, de videovigilância electrónica ou recorrendo a pequenos aviões não tripulados dotados de sistemas de detecção, ou por satélite. Um grande incêndio começa sempre por ser um pequeno incêndio.
3 - Comportamento negligente das pessoas - cigarros atirados pelas janelas dos carros, fogueiras em campismo selvagem, lançamento de foguetes etc.
4 - Criação de infra-estruturas de apoio à prevenção e ao combate - bons acessos, reservatórios de água, aceiros, compartimentação das parcelas arborizadas para contenção do fogo (difícil dada a quantidade de proprietários envolvidos).
5 - Arborizações feitas com espécies mais propicias à contenção dos fogos - carvalhos, castanheiros, choupos, sobreiros etc.
6 - Prisão efectiva dos incendiários (podem cumprir as penas de prisão de Maio a Setembro) e serem libertados nos restantes meses.
7 - Os meios de comunicação social, sobretudo a TV, deviam restringir ao mínimo a difusão de notícias sobre incêndios (às vezes vemos 30 minutos seguidos de reportagens sobre fogos florestais). Essas imagens podem funcionar como estimulantes para os pirómanos.

Os fogos florestais, em Portugal, são inevitáveis, mas podem ser minimizados se todos nós tivermos comportamentos correctos. Calcula-se que 90% dos fogos florestais são devidos à incúria humana.

quarta-feira, junho 22, 2005

Porta do Milénio em Arouca


Foi inaugurada na passagem do século XX para o século XXI.São 2 portas em granito da região em que uma se abre e a outra se fecha.Ao fundo o Palácio da Justiça.

IN (JUSTIÇA)

No final do mês de Abril de 2005, foram libertados os suspeitos da morte dum Inspector da Policia Judiciária, crime ocorrido em Janeiro de 2001.

Foram libertados por excesso de prisão preventiva (4 anos e 3 meses). Durante todo este tempo o Tribunal não conseguiu notificá-los pelo crime cometido.

Estamos em finais de Junho de 2005 e os arguidos suspeitos da morte do Inspector da PJ passeiam-se em liberdade pelo País, ou até pelo estrangeiro, quem sabe.

A situação, neste momento, é ridícula, para não dizer trágica. Uma Magistrada do TIC do Porto chegou à conclusão de que não tem competência territorial para fazer a instrução do processo, pelo que vai enviar os autos para o Tribunal do Marco de Canavezes, para que este faça as diligências necessárias.

Se tudo correr bem, pode ser que, finalmente, os suspeitos sejam notificados.

Pode, no entanto, acontecer que o Tribunal do Marco de Canavezes chegue à conclusão de que também não tem competência para fazer a instrução do processo, pelo que poderá devolver o processo para o Porto ou para Penafiel, local onde foram feitos os assaltos e onde decorreu a cena de tiroteio de que resultou a morte do Inspector da PJ.

Os agentes da PJ terão que estar, justificadamente, revoltados com a falta de eficiência dos Tribunais.

Todos os dias há noticias de mais e mais crimes violentos e alguns até cometidos com ousadia( homicídios, assaltos a ourivesarias com escavação de túneis, arranque de caixas de Multibanco com uso de retro escavadoras, roubos em bombas de gasolina e carrinha de valores etc.etc).

Como podem andar motivados os Agentes da PJ a combater o crime organizado, se eles sabem que um colega caiu baleado no cumprimento do dever e os suspeitos continuam à solta?

Triste sina dum País que vive no reino do “ FAZ DE CONTA “

domingo, junho 19, 2005

Vaga Luma


Ontem, ao principio da noite, andei a regar as hortênsias do jardim. Durante a rega vi dezenas de pirilampos. Os pirilampos emitem uma luz fosforescente(bioluminescência) que facilita a comunicação sexual e a defesa pessoal.As luzes têm diferentes cores, pois variam de espécie e nos insectos adultos facilitam a atracção sexual. Os lampejos equivalem ao ínicio do namoro. São códigos para atrair o sexo oposto.

FÉRIAS JUDICIAIS

Tenho acompanhado com interesse e com certa expectativa, a questão das férias judiciais que, normalmente, eram gozadas pelos Magistrados entre 15 de Julho e 15 de Setembro.

Esta pausa no funcionamento normal dos Tribunais, segundo os Juízes, permitia analisar processos e colocar em dia serviço que não tinha sido possível realizar, por falta de tempo.

A quando da apresentação do Programa de Governo, em 22 de Março último, foi anunciado que ia ser reduzido para um mês o período de férias judiciais.

Uns disseram que se tratava duma medida justíssima, outros disseram que se tratava duma medida populista para ganhar apoios eleitorais na sociedade civil.

Onde estará a verdade?

É reconhecido por todos que a Justiça, em Portugal “ é alentejana “, isto é “ anda devagar. O adjectivo utilizado não pretende ser ofensivo, mas apenas pretende caracterizar uma situação. Não é possível trabalhar depressa no Alentejo, com temperaturas tão elevadas como as que se registam nesse lindo recanto de Portugal.

Não tenho experiência em questões judiciais, mas fico com a sensação ao ler certas noticias na imprensa, ao ver imagens televisivas ou ao assistir a debates, que o nosso Código Processual sendo rigoroso no “garantismo” dos direitos dos arguidos, permite dilações que agravam a tão necessária celeridade da Justiça. Uma Justiça feita fora do prazo aceitável, deixa de ser Justiça.

Vou acompanhar com atenção o que se vai passar no nosso sistema judicial.

Será que com os Juízes e os Magistrados do M.Público a trabalhar, apenas durante o horário normal de funcionamento dos Tribunais (das 9 às 17 horas), durante 5 dias por semana, vamos ter uma Justiça mais célere?

Quando houver interrogatórios para fazer em processos complexos envolvendo muitas pessoas (como em casos recentes cujas audições terminaram já de madrugada), quando houver mandados de detenção para emitir fora das horas normais de funcionamento dos Tribunais, quando houver vítimas de crimes para observar, será que os Magistrados vão executar essas diligências fora do horário?

Não terá sido aberta uma CAIXA DE PANDORA?

quinta-feira, junho 16, 2005

MEDALHAS DE DEDICAÇÃO

A Câmara Municipal de Braga vai atribuir 128 Medalhas de Dedicação a outros tantos funcionários municipais, com base nos bons serviços prestados à comunidade.

É louvável que os Municípios homenageiem os funcionários que se destacam pelas suas qualidades profissionais e humanas.

A quantidade de medalhas (128), despertou em mim, no entanto, uma atenção especial.

Será que esta medalhagem tem a ver com alguma coisa que vai acontecer dentro de 4 meses – Eleições Autárquicas?

Responda quem souber!

LICOR BEIRÃO

Há um licor muito conhecido, em Portugal e que se chama LICOR BEIRÃO. Presentemente a fábrica produz cerca de 2.000.000 garrafas, destinando-se a maior parte para exportação, incluindo a Rússia. A produção é rodeada de segredos, pois muitas das ervas usadas são exóticas e provêm de muitas partes do Mundo.

Ao longo das principais estradas nacionais, ainda existem muitos painéis publicitários, colocados há dezenas de anos pela mão do fabricante do produto – José de Oliveira Carranca Redondo.

Os painéis foram colocados sem autorização e à revelia da antiga Junta Autónoma das Estradas. O industrial teve que responder muitas vezes em Tribunal, sendo quase sempre absolvido. As razões invocadas pela J.A. das Estradas para exigir a retirada dos painéis baseavam-se no pressuposto de que os referidos painéis, por serem novidade em Portugal, podiam distrair os condutores e causar acidentes.

Duas facetas deste industrial, falecido, ontem, com 89 anos, na Lousã:

Uns painéis tinham por baixo do nome do licor a seguinte frase “ O Licor de Portugal “. Muitos dos painéis tinham, no entanto, uma variante e que dizia “ O Beirão de que todos gostam “Dado que Oliveira Salazar era “ BEIRÃO “ pediu ao seu Secretário Sollari Allegro para indagar se a frase lhe poderia ser dedicada.

Acontece que Carranca Redondo era anti-salazarista e republicano convicto. Festejava sempre o 5 de Outubro com uma salva de 21 tiros e dava uma grande festa. Para enganar os adeptos do regime da altura, dizia que a festa era para comemorar a seu aniversário de casamento

terça-feira, junho 14, 2005

CRIATIVIDADE – PRECISA-SE

Grande nº de empresas portuguesas tem dificuldade em ganhar quotas de exportação nos mercados internacionais.

Em muitos casos – CRIATIVIDADE – PRECISA-SE.

Alguns exemplos positivos:

Uma empresa vinícola, fundada em Portugal, há 11 anos, resolveu produzir vinho rosé a partir das castas Castelão e Trincadeira, oriundas das regiões do Douro, Beiras, Extremadura, Ribatejo e Palmela.
Em vez de usar garrafas de vidro, engarrafaram esse vinho rosé em garrafas de alumínio estilizadas e pintadas com uma cor rosa garrida e com a capacidade adequada ao público-alvo que pretendem atingir – jovens urbanos que frequentam bares.
A garrafa em alumínio, para além de conservar a temperatura gelada por mais tempo, é visualmente mais apelativa para quem tenha sede.

Uma empresa de atoalhados resolveu criar novos padrões de toalhas com o desenho da Playboy. As encomendas para os EUA não param de crescer, o que obrigou a ampliar as instalações e a aumentar o nº de trabalhadores.

Uma empresa de metalomecânica, sedeada em Constança, está a construir tubagens especiais para um acelerador de partículas, que faz parte do projecto europeu LHC (Large Hadron Collider) e que será, a partir de 2007, a maior instalação supercondutora em todo o Mundo.Os magnetos dessa estrutura que terá 27 quilómetros de perímetro, estarão imersos em hélio liquido a 275 graus Celsius negativos. Com este contrato a empresa conseguiu atingir padrões de elevada qualidade e, neste momento 95% da sua produção destina-se aos mercados exigentes da Europa e dos EUA.

A ATX (empresa informática que resolveu em 2 dias o imbróglio da colocação de Professores em Agosto/Setembro 2004), através da simples revisão ao algoritmo e da substituição do hardware, está a colaborar com a Microsoft e com o Fundo de Pensões norte-americano, fornecendo soluções informáticas a preços elevados.

Seis empresas portuguesas de calçado e duas de capital de risco adquiriram uma rede de distribuição em França, com o apoio do programa Dínamo. Com essa aquisição vai ser possível colocar calçado português em 60 pontos de venda, espalhados pela França.

A Logoplaste para anular um concorrente em Inglaterra, adquiriu as 2 principais fábricas da Tetrapack. Com esta aquisição a Logoplaste ascende à liderança do mercado de leite em Inglaterra, no que toca à produção de embalagens. Com esta aquisição a empresa portuguesa liderada por Filipe de Botton vai produzir 5 mil milhões de embalagens. A Logoplaste controla, actualmente, 17 fábricas em Portugal, 32 em Espanha, França, Inglaterra e Itália e 7 no Brasil. A Logoplaste é, neste momento, a terceira empresa europeia do sector.

Pombal do Mosteiro de Arouca.Depois de recuperado foi adaptado a sede da Columbofilia de Arouca.Existe um jardim de pedra construido em volta.

segunda-feira, junho 13, 2005

MORTE DUM COLEGA E AMIGO

Como habitualmente, hoje ao chegar à Vila de Arouca, comprei o jornal, pedi o meu café e comecei a ler as notícias do dia – eleições na Galiza, marcha contra a fome, fraca afluência no referendo italiano, corrupção no Brasil, romaria ao túnel de Ceuta (Porto), referendo europeu, voos semanais de Bragança para Paris, arrastão de Carcavelos, subida de 10% nas vendas na Feira do Livro do Porto etc.

Chegado à página 49 fiz as palavras cruzadas e li o meu horóscopo que dizia o seguinte: “Desista de querer controlar, transformar. Permita-se curtir a graça da vida da forma como se manifesta “. Comentei para mim próprio – Bom Conselho.Tem juízo, Aproveita a vida.

Virei a folha e salta-me à vista, na página da necrologia a fotografia repetida 5 vezes dum colega de turma do Colégio Universal (Porto). Senti como que uma pancada na cabeça.

A última vez que tinha estado com o Eng.º Pinheiro tinha sido há 3 anos, num encontro anual, que procura reunir antigos alunos do Colégio, no restaurante Braseiro em Valadares (Gaia).

Recuei 50 anos e recordei o Joaquim Pinheiro como colega de turma. Recordei as violências que sofremos do nosso exigente Prof. de Francês, o rigor das aulas de Matemática, as sínteses espectaculares feitas pelo Prof. de História, as praxes colegiais, as disputas campais entre os alunos de Ciências e os de Letras, o desvio do badalo da sineta para a linha férrea Porto-Póvoa, os roubos dos testes de Português etc., etc.

A vida da tropa afastou-nos e voltamos a encontrarmo-nos muitos anos mais tarde quando a empresa que ele dirigia forneceu dezenas de máquinas para uma empresa a que estive ligado.

Recordei também uma viagem de negócios que fiz com ele à Bélgica, dum jantar que tivemos com industriais belgas num restaurante jugoslavo (creio que se chamava Miriam), dum aperitivo esquisito que nos serviram (que uma ajudante de cozinha transmontana nos explicou que era feito com abrunhos) e dum cabrito assado à moda de Split e que estava excelente.

O Pinheiro foi uma pessoa que viveu a vida com muita intensidade e talvez em excesso.

Descansa em Paz, Caro Joaquim Pinheiro.

Voltei a pensar no que rezava o meu horóscopo “permita-se curtir a graça da vida da forma como se manifesta “.

quinta-feira, junho 09, 2005

PRAÇA BRANDÃO DE VASCONCELOS




No final do século XIX a actual Praça Brandão de Vasconcelos tinha 2 praças - a Alta e a Baixa.

No início do século XX (com a construção do fontenário-1901), a Praça ficou só numa plataforma.

Ao fundo encontram-se os Paços do Concelho, construídos em 1805, no tempo do Príncipe Regente D.João. O imóvel, neste momento, alberga os serviços da ADRIMAG - responsável pela execução do Programa Comunitário LEADER.

Brandão de Vasconcelos foi um Conselheiro que, conjuntamente com o Conde de Castelo de Paiva, conseguiu que, em 1897, a Câmara de Deputados e a Câmara dos Pares aprovassem a extinção dos foros que eram pagos ao Mosteiro de Arouca. Nessa altura houve grandes manifestações de regozijo e muitas festas devido a esse facto.

ENSINO SUPERIOR

Segundo declarações proferidas pelo Ministro Mariano Gago, não serão criadas novas Universidades ou Institutos Politécnicos, em Portugal, durante esta legislatura.

Tendo em atenção o conhecimento que tenho da realidade portuguesa, em princípio, concordo com esta decisão.

Existem instituições de ensino superior em demasia para a dimensão de Portugal. O ensino superior está inflacionado, pois há cursos com menos de 20 alunos e há alunos que entram para as Universidades com 6 valores.

Autorizaram-se cursos que conferem diplomas que não passam de “passaportes” para o desemprego.

Muitos desses cursos são apenas planos curriculares generalistas, sem ligação ao mundo real e de reduzido interesse para quem os frequenta.

É forçoso aumentar o número de diplomados com ensino superior, para Portugal poder aproximar-se dos restantes países desenvolvidos europeus.

Não podemos é continuar a diplomar 75% dos estudantes do ensino superior em humanidades e 25% na área científica.

É com esta politica educativa desajustada da realidade que temos licenciados nas caixas de hipermercados, ou a conduzir táxis.

O Estado a as Famílias gastaram recursos financeiros avultados, que não dão o respectivo retorno. Foram investimentos sem sentido e com reduzidos benefícios.

Precisamos de formar pessoas para transformar o País. Acontece que, sem esquecer a vertente cultural e humanista, temos essencialmente que apostar na área cientifica.

Não é possível termos crescimento económico sem a matriz científica. Se queremos que Portugal trilhe os caminhos do progresso e do desenvolvimento socio-económico, temos que apostar na Universidade do fato macaco e não na do fato e gravata.

quarta-feira, junho 08, 2005

SAÚDE ORAL DOS PORTUGUESES

Há dias li uma notícia relativa à saúde oral registada na população portuguesa.

As conclusões obtidas em estudos europeus, colocam Portugal nos piores lugares, com dentes cariados, perdidos ou obturados, mesmo na população mais jovem.

Uma das causas desta situação deve-se ao facto de não haver, por parte do Serviço Nacional de Saúde, campanhas de prevenção e politicas de saúde oral bem definidas.

Comecei a olhar mais atentamente para as pessoas que encontro no dia a dia e verifiquei que, efectivamente, existem muitos problemas de dentição junto da população portuguesa.

Em muitas reportagens transmitidas pela TV, quando inclui multidões de “ Povo “, ou em locais mais rurais, constata-se que o panorama da saúde oral em Portugal está doente.

A falta de saúde oral para além de transmitir doenças e provocar infecções, provoca uma quebra na auto-estima individual e cria dificuldades na interacção social.

terça-feira, junho 07, 2005

Capela da Misericórdia




A sua construção, como se pode ver "in loco" no frontispício da porta de entrada, data de 1612.

As paredes interiores estão cobertas com lindos azulejos, com mais de 360 anos.

É curiosíssimo o seu tecto apainelado, contendo pinturas policromas do século XVII, com desenhos bíblicos que, segundo documentos históricos coevos, foram executados por um exímio pintor que trabalhava de noite e descansava de dia, para que os seus trabalhos só fossem vistos depois de concluídos.

O tecto tem 48 quadros diferentes, pintados a óleo foram executados nos painéis já aplicados no tecto. Por isso o pintor executou as suas pinturas, deitado sobre uma estrutura de madeira.

Em 1616 foi ordenada na Capela da Misericórdia a Confraria dos Santos Passos.
Ao lado da Capela, a Irmandade da Misericórdia construiu um hospital que, em 1774, estava em ruínas.

No local do hospital em ruínas, em 1806, foram construídos os Paços do Concelho( construção que se vê no lado direito da fotografia).

quinta-feira, junho 02, 2005



Embora não pertença à área politica do nosso ex-Primeiro Ministro, fiquei contente com a indigitação do Eng.º Guterres para o cargo de Alto Comissário das Nações Unidas para os Refugiados ACNUR.

As qualidades humanas e a sensibilidade que manifesta para as questões sociais, são um bom augúrio de que o Eng.º Guterres fará um bom lugar.

A ACNUR tem uma missão importante a desempenhar no Mundo, sobretudo para cerca de 20 milhões de seres humanos que, todos os dias, fogem de guerras sem sentido ou são vítimas de perseguições politicas e de ódios étnicos inaceitáveis.

Os Países que têm mais refugiados e deslocados são o Afeganistão, Sudão, Burundi, Congo, Palestina, Somália, Iraque, Vietname, Libéria Angola e Colombia.

A sede da ACNUR é em Genebra, tem 6.000 funcionários instalados em mais de 250 Gabinetes espalhados por 116 Países. Dos 6.000 funcionários 80% trabalham no terreno.

A ACNUR conta com mais de 500 Organizações não Governamentais como parceiras.

A tarefa que espera o Eng.º Guterres é gigantesca. Para bem dos desprotegidos deste Mundo global que construímos, oxalá que o Eng.º Guterres tenha sucesso.

Marmoiral de Santo António




Curioso arco funerário medieval, em granito, a que o povo chama " Arco de Santa Mafalda ".

Tal designação deve-se à lenda popular que reza que a Rainha Santa Mafalda faleceu em Rio Tinto e que deixou escrito em testamento que queria que o seu corpo fosse colocado em cima dum burro, para ser sepultado no local onde o burro parasse definitivamente.

Aparecem monumentos semelhantes em Penafiel e em Alpendurada que, segundo a lenda, foram pontos de descanso do cortejo fúnebre.

O cortejo teria parado também em Santo António e o burro ao chegar ao Mosteiro de Arouca localizado 2 Kms à frente, parou definitivamente. Depois de ter sido retirado o corpo da Rainha Santa Mafalda de cima do burro, este caiu para o lado e morreu.

O monumento mede 4,30 metros de altura, 4,75 metros de comprimento e 1 metro de espessura.

É românico e um dos melhores monumentos do género existentes no norte de Portugal e deve datar-se entre o século XII e XIII.

Por Decreto de 16 de Junho de 1910 foi declarado monumento nacional.

Época das Cerejas


Estamos a viver a época da produção e comercialização duma das frutas que, para mim, é das mais apetitosas - as cerejas.

São lindas no aspecto e, quando de boa qualidade, são uma gostusura para o paladar.

Ontem li no jornal que os produtores nacionais de cereja estavam a reclamar ajudas financeiras ao Governo, pois não conseguiam escoar a produção, devido à invasão do mercado de cerejas oriundas de Espanha, Marrocos e Tunísia e que é colocada, em Portugal, a preços mais baixos.

Entristece-me que, em Portugal, não consigamos ter uma estratégia comercial que possa competir em qualidade e preço com produtos estrangeiros.

Há alguém que quer ganhar tudo no mais curto espaço de tempo. Os produtores e os intermediários têm uma política comercial desajustada da realidade.

A queixa expressa pelos produtores nacionais de cerejas esbateu-se quando, no noticiário da TV, à noite, foi difundida a noticia de que uma conceituada marca de iogurtes com pedaços sedeada em Castelo Branco estava a comprar e a incorporar na sua produção fruta nacional, incluindo a cereja.

Aqui em casa, para além de consumirmos a cereja ao natural, fazemos 2 produtos compota e ginja.

A exemplo dos anos anteriores a compota deste ano ficou muito boa.

Quanto à ginja, vai ser feita em breve., fazendo a mistura nas seguintes proporções - 1 kg de cerejas, 1 kg de açucar, 1 litro de aguardente bagaceira de vinho verde e juntando-se uns paus de canela. Fica em maceração durante um ano, mexendo-a de vez em quando.

É um tónico excelente para consumir nas noites frias de Inverno, ao calor da fogueira.

quarta-feira, junho 01, 2005

HOJE É O MEU DIA

Comemora-se, hoje, o “ DIA MUNDIAL SEM TABACO “

Ao longo dos meus 67 anos de vida, fumei alguns cigarros, cigarrilhas e charutos, mas sempre em quantidades insignificantes e normalmente em ocasiões festivas.

A minha família paterna não tinha o hábito de fumar e eu segui esse exemplo.

Os meus 2 Filhos, felizmente, também não fumam, o que me deixa muito satisfeito.

Infelizmente há jovens que começam a fumar com 12 ou 13 anos, numa atitude de afirmação pessoal, que lhes trará graves consequências de saúde, no futuro.

O tabaco é responsável por 90% dos cancros do pulmão e por 70% das doenças pulmonares obstrutivas crónicas. Em Portugal, calcula-se que morrem, anualmente, cerca de 22.000 pessoas devido a consequências do tabagismo.

Concordo e sei por experiência pessoal vivida, que só com uma vontade gigantesca e com uma determinação consequente é possível deixar de fumar.

Admiro as pessoas que conseguem vencer a dependência tabágica.

Os Governos, como está em causa um problema de saúde pública, podem tomar medidas legislativas que restrinjam o consumo de tabaco em locais públicos.

Os bares irlandeses sempre foram locais de convívio, onde se fumava muito, até para criar o ambiente propício à discussão de temas de interesse geral.

O Governo irlandês decretou a proibição desse comportamento nos bares e depois de se vencerem algumas resistências, quer dos consumidores, quer dos fabricantes, deixou-se de fumar nesses locais.

Em Portugal, se for adoptada medida idêntica, o Governo português como deixa de receber o pesado imposto que incide sobre o tabaco, vai ter dificuldades acrescidas para vencer “ O MONSTRO DO DEFICIT “