quinta-feira, junho 09, 2005

ENSINO SUPERIOR

Segundo declarações proferidas pelo Ministro Mariano Gago, não serão criadas novas Universidades ou Institutos Politécnicos, em Portugal, durante esta legislatura.

Tendo em atenção o conhecimento que tenho da realidade portuguesa, em princípio, concordo com esta decisão.

Existem instituições de ensino superior em demasia para a dimensão de Portugal. O ensino superior está inflacionado, pois há cursos com menos de 20 alunos e há alunos que entram para as Universidades com 6 valores.

Autorizaram-se cursos que conferem diplomas que não passam de “passaportes” para o desemprego.

Muitos desses cursos são apenas planos curriculares generalistas, sem ligação ao mundo real e de reduzido interesse para quem os frequenta.

É forçoso aumentar o número de diplomados com ensino superior, para Portugal poder aproximar-se dos restantes países desenvolvidos europeus.

Não podemos é continuar a diplomar 75% dos estudantes do ensino superior em humanidades e 25% na área científica.

É com esta politica educativa desajustada da realidade que temos licenciados nas caixas de hipermercados, ou a conduzir táxis.

O Estado a as Famílias gastaram recursos financeiros avultados, que não dão o respectivo retorno. Foram investimentos sem sentido e com reduzidos benefícios.

Precisamos de formar pessoas para transformar o País. Acontece que, sem esquecer a vertente cultural e humanista, temos essencialmente que apostar na área cientifica.

Não é possível termos crescimento económico sem a matriz científica. Se queremos que Portugal trilhe os caminhos do progresso e do desenvolvimento socio-económico, temos que apostar na Universidade do fato macaco e não na do fato e gravata.