quinta-feira, junho 23, 2005

FOGOS FLORESTAIS




Com temperaturas acima de 35 graus, há sempre incêndios florestais e estes serão mais violentos se existir a associação de ventos com velocidades elevadas.

Portanto, podemos concluir que nestas circunstâncias, os fogos florestais são inevitáveis em Portugal, bem como na Europa mediterrânica, dadas as características climáticas especificas.

Acontece, porém, que os fogos florestais podem ser minimizados, se forem tomadas medidas preventivas adequadas:
1 - Manter as matas limpas. Um incêndio rasteiro cruza a floresta e não a destroi. Tal só acontece se o fogo atingir as copas das árvores e aí será a devastação total.
2 - Localização atempada dos fogos através dos postos de vigia, de videovigilância electrónica ou recorrendo a pequenos aviões não tripulados dotados de sistemas de detecção, ou por satélite. Um grande incêndio começa sempre por ser um pequeno incêndio.
3 - Comportamento negligente das pessoas - cigarros atirados pelas janelas dos carros, fogueiras em campismo selvagem, lançamento de foguetes etc.
4 - Criação de infra-estruturas de apoio à prevenção e ao combate - bons acessos, reservatórios de água, aceiros, compartimentação das parcelas arborizadas para contenção do fogo (difícil dada a quantidade de proprietários envolvidos).
5 - Arborizações feitas com espécies mais propicias à contenção dos fogos - carvalhos, castanheiros, choupos, sobreiros etc.
6 - Prisão efectiva dos incendiários (podem cumprir as penas de prisão de Maio a Setembro) e serem libertados nos restantes meses.
7 - Os meios de comunicação social, sobretudo a TV, deviam restringir ao mínimo a difusão de notícias sobre incêndios (às vezes vemos 30 minutos seguidos de reportagens sobre fogos florestais). Essas imagens podem funcionar como estimulantes para os pirómanos.

Os fogos florestais, em Portugal, são inevitáveis, mas podem ser minimizados se todos nós tivermos comportamentos correctos. Calcula-se que 90% dos fogos florestais são devidos à incúria humana.