sábado, Agosto 06, 2005

INCÊNDIO EM AROUCA

No dia 3 do corrente começou, em Arouca um incêndio nuns terrenos vizinhos de S.Pedro do Sul.O fogo foi galgando montes e vales, por sítios quase inacessíveis para uma centena de bombeiros que o combateram. Mais de um milhar de hectares de floresta foram consumidos pelo fogo, bem como casas e campos agrícolas. Felizmente que não se registaram vítimas humanas neste sinistro.

No dia 4 eu estive na Vila toda a manhã. Por volta das 12 horas vim almoçar a casa (dista 5 Kms da Vila). Tive que regressar às 2 horas à Vila e quando me aproximei da sede do Concelho, fiquei espantado e incrédulo com o que vi. O fogo, nesse intervalo de tempo, tinha galgado Kms de extensão e tinha chegado à parte urbana da Vila.

O espectáculo era dantesco. O ar ficou irrespirável, o sol escureceu com o fumo (a iluminação pública acendeu-se automaticamente como se fosse de noite), as ruas, os campos, as casas, os terraços ficaram cobertos de fuligem preta.

Folhas de eucalipto, cascas e agulhas de pinheiro caíram por todo o Concelho, arrastadas pelo vento. Muito deste material ainda vinha a arder, o que provocou novos focos de incêndio.

Hoje, dia 6, ainda existem fogos dispersos. As gargantas andam irritadas, o cheiro a queimado provoca dores de cabeça e os narizes estão entupidos.

Arouca, esta semana, ficou mais pobre. Uma das riquezas deste Concelho residia na floresta. O Concelho tem uma área aproximada de 34.000 hectares e 60% desta, está afecta ao uso da floresta. Todos os dias, em circunstâncias normais, saem de Arouca cerca de 600 m3 de madeira.

Ontem tive que percorrer a parte poente e central do Concelho, durante a tarde. Tive que reconhecer que as condições meteorológicas (acima dos 35º) podem contribuir para os incêndios, mas há muita incúria dos proprietários florestais.

Vi grandes manchas de floresta sem limpeza dos matos, vi restos da exploração da madeira deixados ao abandono, vi montes de lenha acumulados sem precaução junto às casas, vi centenas de casa sem zona de protecção contra fogos.

Basta a incúria de umas pessoas e os desequilíbrios psicológicos de outros para termos tragédias como a que vivemos estes dias em Arouca.

Os pirómanos que são apresentados a Tribunal, ficam em liberdade. Os jornais referiram a semana passada que não havia pirómanos presos.

Num jornal de hoje vi uma descrição completa e com desenho explicativo como se pegou um fogo em Sever do Vouga – um cigarro aceso que tinha junto ao filtro dezenas de fósforos unidos por fita-cola.

Grande jornal e excelentes jornalistas!!!!!!!!!!
Podem limpar as mãos à M…A que publicaram.

3 Comments:

Blogger rajodoas said...

O quanto lamento o registo do acontecimento relatado. Mas caro amigo todos temos a consciência que o excesso de calor só por si não provoca fogo, apenas ajuda na sua propagação.
É certo que o descuido dos proprietários florestais na limpeza das suas matas é uma constante, mas
se não fossem os vários interesses que estão subjacentes aos fogos florestais não assistiriamos e este incrivel flagelo. E tenho a forte convicção se alguns dos 70 pirómanos
identificados pela polícia se tivessem sido encarcerados e fossem
divulgadas pela comunicação social
as penas em que incorriam, provavelmente o número de fogos começaria a reduzir. Com um abraço do Raul

7:25 da tarde  
Blogger Biranta said...

Enquanto se aceitarem explicações absurdas e conjecturas, como explicações, e suposições e expeculações, vai continuar a ser assim. Tudo isto poorque, a par com isto, se aceitam todo o tipo de desculpas absurdas, para "justificar" o injustificável, que é como quem diz: a ausência de eficiência das medidas no terreno e da actuação da justiça. Quem falha é que tem de ser incriminado, em primeiro lugar. Porque não se pode esperar que deixe de haver criminosos e marginalidade e gente desequilibrada para que se resolvam os nossos problemas. Os verdadeiros pirómanos ~são os que têm as missões e os cargos e falham, porque inventam uma qualquer desculpa que é aceite, por mais absurda e falaciosa que seja. É tudo assim, neste país. Porque é que, com os incêndios deveria ser diferente? O problema é muito mais profundo e começo a achar que o PROBLEMA tem de ser resolvido no seu conjunto, para se poderem resolver estes casos concretos...

12:49 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Este acontecimento, para mim foi uma tristeja.

11:17 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home