sábado, março 11, 2006

Coisas da vida

Ontem sai de casa, às 17 horas, para participar na tomada de posse dos 43 Deputados eleitos para a Assembleia da Área Metropolitana do Porto, cerimónia que teria lugar na Sede do Governo Civil do Porto.

Nesse fim de tarde ocorreram 3 casos que gostaria de partilhar com os blogonautas.

1º Caso – PORTUGUESES DESCARTÁVEIS
Quando estava a chegar a São João da Madeira ouvi o noticiário das 17.30 horas. Uma das notícias referia o seguinte – A Direcção Geral de Saúde tinha feito uma listagem das 100.000 pessoas “ESSENCIAIS “ para o País. A essas pessoas iam ser ministradas vacinas anti-virais para as proteger do H5N1., no caso de sermos atacados pela pandemia da gripe das aves.A listagem incluía profissionais da saúde, trabalhadores ligados ao sector da distribuição de electricidade, de água, de gás, bem como forças de segurança e produtores de alimentos essenciais.
Dei comigo a pensar o seguinte:
Estás lixado., pois não és essencial ao País.Acautela-te.
Sou, portanto, um Português descartável. E você, caro(a) leitor(a) é descartável ou não?

2º Caso – VANDALISMO
Procurei estacionar junto ao Governo Civil. Consegui lugar, a menos de 50 metros, mas quando procurei obter o talão para estacionamento, reparei que a máquina mais próxima tinha sido pura e simplesmente serrada e levada, com certeza pelos amigos do alheio.
Tive que procurar uma outra máquina bem longe do local de estacionamento.

3º Caso – FALTA DE PONTUALIDADE
A tomada de posse estava marcada para as 19 horas. A investidura só ocorreu às 19.20 horas, dado que não estavam, à hora marcada, todos os empossados.
A falta de pontualidade parece que é um factor genético no nosso País. Já achamos normal chegar atrasado a qualquer reunião. Este comportamento é socialmente incorrecto e denota uma falta de respeito para com os outros.
Infelizmente, há pessoas que só se sentem importantes, se fizerem esperar os demais.
Somos um País atrasado também, porque cultivamos o atraso nos nossos compromissos colectivos.