quinta-feira, julho 27, 2006

RESERVAS ESTRATÉGICAS DE ÁGUA


Está em fase de discussão pública até ao dia 9 de Agosto o PNPOT (Programa Nacional da Politica de Ordenamento do Território.).

Os recursos hídricos e a política da água estão contemplados no PNPOT, pois trata-se duma questão essencial para a sobrevivência humana.Qual é a nossa qualidade de vida, quando ficamos privados de água durante 2 dias apenas?

A maioria da água doce (cerca de 70%) a nível mundial é utilizada pela agricultura, mas os sistemas de irrigação são, na grande generalidade, ineficientes, perdendo-se aproximadamente 60% de água, devido à evaporação, pois rega-se. muitas vezes às horas de maior incidência solar. Bastava melhorar as técnicas de irrigação na agricultura em 10% a nível mundial, para termos água suficiente para uso doméstico em todo o Mundo.

Portugal tem necessidade de 7,5 mil milhões de m3 anuais de água. Recorremos muito às reservas subterrâneas, particularmente em períodos de seca. A capacidade de armazenamento de água no País é ridícula, se a compararmos, por exemplo, com a Espanha. Temos mais água que a Espanha, mas confrontamo-nos com uma má gestão deste recurso e com falta de planeamento, o que se torna evidente, quando, neste momento, olhamos para o Alqueva, que está com uma excelente capacidade de armazenamento, mas os agricultores com propriedades ao lado da barragem, não podem aproveitar uma única gota.

Assim penso que:
- Devemos criar “ reservas estratégicas de água “, sobretudo nos rios nacionais, instalando albufeiras em vales encaixados (para tornar os custos de represamento mais baixos), nomeadamente nos rios e afluentes do Douro, Cavado, Vouga, Mondego e Zêzere. Estas albufeiras permitiriam o desenvolvimento de horto-fruticulturas de alto valor acrescentado, a promoção de actividades de turismo e lazer, o combate à desertificação e permitiriam um combate mais eficaz aos fogos florestais.

- Temos que ter uma gestão dos recursos hídricos, assente em 3 vectores:
- Gestão por bacias, para quantificar os ganhos e as perdas de água, desde a nascente e até ao lançamento no mar,
- Gestão por objectivos de qualidade, em função dos usos
- Gestão por normas de rejeição, evitando o lançamento de poluentes

- Temos que combater os desperdícios, pois perde-se 1/3 da água entre a captação e o consumidor final,

- Devemos iniciar nas Escolas uma campanha de sensibilização para poupar água. Se cada um de nós poupar 10 litros/dia, esse gesto representa, para Portugal, uma poupança diária de 100.000 m3.

quarta-feira, julho 26, 2006

CRIANÇAS GUERREIRAS


Há dias, li uma notícia sobre o desastre humanitário que se abateu sobre a Republica Democrática do Congo onde, desde 1998, morreram 4 milhões de pessoas, vítimas da guerra ou de doenças.

A notícia começava por relatar uma entrevista feita por Martin Bell, Embaixador para as Emergências Humanitárias da UNICEF a um “ VETERANO DE GUERRA “, que actualmente tem 17 anos e que está a frequentar o Centro de Restabelecimento na cidade de Goma.

Esta jovem “veterano” relatou que foi integrado na milícia militar com 11 anos e que aos 13 anos já era capaz de operar com qualquer arma, sem precisar de assistência.

Disse ele na entrevista “ matei muita gente e, agora, não quero mais ser soldado “

O seu sonho é ser mecânico e espera que a UNICEF possa ajudá-lo a concretizar esse desejo. Oxalá consiga atingir esse objectivo, para bem dele e da comunidade onde estiver integrado.

Parece que o Mundo caminha a passos largos para o caos absoluto. Não há ética, não há respeito pelos mais elementares direitos humanos, não se combatem os problemas da miséria, da fome e da exclusão social, em muitas zonas do Mundo.

Com estas desigualdades sociais gritantes, é fácil provocar, pelos mais diversos modos, o ódio entre as Nações.

Os fabricantes de armamento vêm nesta situação o terreno fértil para fazerem grandes negócios.

Ao mesmo tempo que se desenvolvam politicas de eliminação das desigualdades sociais existentes, devemos criar uma consciência cívica que exija que seja regulado e fiscalizado internacionalmente o comércio de armamento por uma Entidade Reguladora Mundial.

Se nenhuma destas duas situações for concretizada, o Mundo, apesar de todos os progressos alcançados, NÃO VAI TER GRANDE FUTURO.

segunda-feira, julho 24, 2006

IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE VEICULOS

Até ao dia 14 deste mês, todos os proprietários de viaturas deviam pagar o Imposto Municipal sobre Veículos (vulgo – selo do carro).

Este ano, foram introduzidas novas modalidades de aquisição, podendo fazer-se a aquisição dos selos, por exemplo, via Internet.

Acontece que o sistema informático registou falhas diárias e bloqueios arreliantes. Para complicar mais a situação, foi reconhecido, já na véspera da data limite para aquisição, que faltavam no mercado 1.000.000 de selos.

Em face destas anomalias, é legitimo perguntar:

1 – Terá havido uma venda excepcional de 1.000.000 de viaturas no período 2005/2006, para justificar os erros de previsão?
2 – No caso de não ter havido esse aumento exponencial de vendas, quem foi o decisor que mandou que a INCM fizesse menos 1.000.000 de vinhetas?
3 – Será que esse decisor estava convencido que havia 1.000.000 de proprietários de viaturas que estavam dispostos a fugir ao pagamento do imposto, para lesar as Câmaras Municipais?
4 – Este erro de previsão não poderá ser imputado aos maus resultados que temos na disciplina de Matemática?
5 – Será culpa do “ SIMPLEX” ou do “ PLANO TECNOLÓGICO “?

Quem tiver uma justificação minimamente aceitável que o diga, para sossego do POVO:

segunda-feira, julho 17, 2006

POSTAIS DE ESPANHA ( 4 )


Terminei o 1º período de férias em Espanha no final do mês de Junho e vi muitos condutores espanhóis a terem comportamentos incorrectos nas estradas por onde passei, na Região da Andaluzia e Extremadura.

Comentava com a minha Mulher que, no dia imediato, eles não fariam essa condução agressiva, pois, no dia 1 de Julho., entrava em vigor um novo Código de Estrada.

A Espanha registou, nos últimos anos, a seguinte sinistralidade rodoviária:
2003 ....................... 5.399 mortos
2004 ....................... 4.741 mortos
2005 ....................... 4.400 mortos

Em 2005 foram feitos 4.000.000 milhões de controlos preventivos de condução sob o efeito de álcool e foram instalados 300 radares fixos e móveis, que detectaram 900.000 casos de excesso de velocidade.

A partir de agora conduzir a 90 Kms/hora em vias urbanas, ou a 160Kms/hora em vias de uma só faixa por sentido ou a 190 Kms/hora nas auto-estradas vai para a prisão.

O novo Código de Estrada atribui 12 pontos a cada condutor. As infracções cometidas são penalizadas entre 2 a 6 pontos Exemplos:
Falta de cinto de segurança· 3 pontos
Condução sob efeito álcool 6 pontos

Quando o condutor perder os 12 pontos fica inibido de conduzir durante um tempo, tem que pagar 320 euros para frequentar um curso de 24 horas de reciclagem e pagar o novo exame.

Logo no 1º dia um jovem da Catalunha perdeu os 12 pontos- falta de cinto, inversão de marcha num risco continuo e condução sob o efeito de álcool.

Li nos jornais portugueses recentes que a sinistralidade reduziu cerca de 40%. Pode ser que seja apenas uma redução temporária, fruto de cautelas iniciais ao novo Código.

Com base nas estatísticas, estes 15 dias representaram MENOS 72 MORTOS NAS ESTRADAS ESPANHOLAS.

terça-feira, julho 11, 2006

POSTAIS DE ESPANHA (3)

Durante a minha estadia em Espanha, rebentou o maior escândalo de dopping no desporto espanhol, tendo atingido principalmente o ciclismo, estando, neste momento, a serem investigados 58 ciclistas profissionais por terem recebido tratamentos dopantes.

O jornal “ El Pais “, através do seu caricaturista EL ROTO, ilustrou a situação, apresentando a “ Bicicleta Injectada “.

Um trio de técnicos de saúde, incluindo um hematologo que tinha tirado uma especialização no Centro de Transfusões das Forças Armadas, montou uma estrutura para tratamento e valorização do sangue dos desportistas.

Inicialmente, o sangue extraído aos desportistas, era centrifugado, lavado e os glóbulos vermelhos (os que transportam oxigénio) era conservado a 4ºC, depois de se juntar conservantes e anticongelantes. Esta técnica tinha no entanto um problema – o sangue só podia ficar congelado o máximo 42 dias.

Entretanto o trio conseguiu adquirir uma máquina, a ACP 215, que permitia manter congelados os glóbulos vermelhos a -80ºC, pelo que estes podiam ser aplicados novamente nos desportistas, mesmo depois de uma congelação de mais de um ano.

Este sangue congelado começou a ser conhecido no meio desportivo como “ Sibérias “

As “ Sibérias “ eram congeladas de uma maneira programada, com uma redução de temperatura de 1ºC/ minuto, até atingir os -80ºC.

O transporte destas “ Sibérias “ era um momento crítico. Normalmente eram utilizadas mochilas frigorificadas que tinham um sistema de conservação do sangue com base em neve carbónica O sangue transformado demorava 10 minutos a descongelar, sendo de seguida injectado nos desportistas.Com esta transfusão todo o sistema muscular via aumentada a quantidade de glóbulos vermelhos no sangue, melhorando o rendimento dos desportistas.

O trio cobrava 30.000 euros por temporada a cada desportista

Esta operação de desmantelamento da rede de dopagem foi desencadeada pela Guardia Civil e foi designada por “ Operacion Puerto “


domingo, julho 09, 2006

POSTAIS DE ESPANHA ( 2 )



O Município de La Muela (Zaragoza) é um dos mais ricos de Espanha, por ter decidido tirar proveito efectivo dum projecto industrial ligado à energia eólica, tendo a população aceite suportar algum incómodo, desde que colhesse benefícios reais.

A Câmara Municipal (Ayuntamiento) decidiu explorar directamente o recurso vento, instalando 350 aerogeradores na sua área territorial.

Depois de descontar as mensalidades para amortizar o investimento feito, a restante receita proveniente da venda da energia produzida, é investida em benefício da população.

Assim:
- todos os anos os 3.000 habitantes de La Muela escolhem um destino exótico para passar férias, pagando apenas 50% das despesas, pois o Ayuntamiento paga os restantes 50%. Já visitaram a Polinésia, o México e o Caribe,
- todos os estudantes recebem os livros e demais material escolar gratuitamente,
-as creches e os jardins-de-infância são gratuitos para todas as crianças,
- os estudantes universitários têm todas as despesas de alojamento, aquisição de livros, alimentação e propinas subvencionadas a 100% pelo Município
- construíram um polígono industrial e todos os pavilhões foram vendidos,
- construíram um polidesportivo novo, um auditório novo e uma nova praça de touros.

A Espanha em poucos anos transformou-se num dos maiores produtores de equipamento eólico do Mundo e é, neste momento o 3º maior exportador mundial.

Os parques eólicos instalados em Espanha, com uma potência de 10.600 MW, injectaram no último ano cerca de 20.200 GWH na rede eléctrica (8% do consumo), o que foi excelente, dado o período de seca registado.

Tudo se conjuga para que dentro de poucos anos o barril de petróleo atinja os 100 dólares. Quando isso acontecer, só os Países que apostaram na diversificação da produção energética e nas renováveis, é que poderão enfrentar o futuro com mais optimismo.

Nota Final

Em Espanha a aprovação da instalação dum parque eólico demora menos de 1 ano, enquanto que em Portugal demora no mínimo 5 a 6 anos.

Copiemos os bons exemplos, para não continuarmos a perder a pedalada.

POSTAL DE ESPANHA ( 1 )


Em 2008, a cidade de Valência (Espanha) vai ser palco da mais famosa regata mundial a “América Cup “.

Quando, em 2005, Valência ganhou a Lisboa a realização desta famosa prova, a Espanha começou a preparar-se para vencer esta competição. Esse anseio teve o apoio da Família Real espanhola, grande adepta deste desporto.

A Espanha organizou-se para criar um novo barco o ESP 88, que está a ser desenvolvido conjuntamente por 14 empresas e universidades, reunindo toda a tecnologia de ponta existente neste domínio, aplicando cerca de 50.000 horas de investigação e 25.000 horas de construção.

Assim:
- a Escola Politécnica de La Almunia(Zaragoza) está a desenvolver materiais leves e resistentes bem como sistemas electrónicos, tendo sido criado um sistema que capta cerca de 300 variáveis dentro do barco , oferecendo, no mesmo instante, os resultados num monitor
- em Barcelona estão a ser desenvolvidos intercomunicadores e auriculares personalizados para cada elemento da tripulação, pois a comunicação eficiente é fundamental para ganhar uma regata – um segundo pode ser fatal
- em Valência está a ser desenvolvido o projecto do casco e as previsões meteorológicas
- em Múrcia e em Guipuzcoa estão a ser desenvolvidos os projectos da quilha e do leme, bem como de vários materiais em carbono, titânio, aço e alumínio de alta resistência
- em Vigo as velas estão a ser construídas pela North Sails
- em Granada e em Madrid serão feitas as experiências hidrodinâmicas.

Para ajudar a toda esta montagem, o Centro de Supercomputação de Barcelona colocou o computador mais potente da Europa e o oitavo do Mundo ao serviço deste projecto.

Este computador pesa 40 toneladas e realiza 42 biliões de operações matemáticas por segundo. Este computador permite simular a realidade, saber como se vai comportar o barco em diferentes condições de vento. Este equipamento realiza modelos virtuais do desenho do casco e das velas, fazendo também os cálculos e as previsões meteorológicas.

O rendimento deste computador em 44 minutos equivale ao rendimento dum computador convencional em 10.000 horas de trabalho.

Os técnicos de Valência estão a estudar os ventos, a sua intensidade, bem como as mudanças registadas hora a hora. Tudo é registado no computador.

O casco será fabricado em Valência e é aí na empresa King Marine que serão montadas todas as peças vindas de toda a Espanha

A Espanha vai aproveitar esta oportunidade para desenvolver a sua indústria náutica, criando parcerias eficazes entre universidades e empresas.

Há 15 anos a Espanha fez o mesmo com a energia eólica. Arrancou com um projecto nacional e, neste momento, é o 3º maior produtor e exportador mundial de aerogeradores e torres, tendo criado cerca de 20.000 novos empregos nesta área.

Oxalá que nós Portugueses conseguíssemos seguir as pisadas da determinação, da combatividade e do rigor dos Espanhóis.

Devemos copiar os bons exemplos para sairmos “ desta apagada e vil tristeza”.

sexta-feira, julho 07, 2006

FÉRIAS EM ESPANHA




Durante 2 semanas, andei por esta zona.

Foram mais de 15 dias esplêndidas, sempre com muito sol, ao contrário do que ocorreu, nesse período, no nosso País.

Nesses dias procurei seguir de perto tudo o que ia acontecendo em Espanha, quer no domínio político, quer no tocante às questões económicas, sociais e desportivas.

Nos próximos dias, vou partilhar com os cibernautas essas minhas impressões.

Um abraço para todos e um bom fim-de-semana