terça-feira, julho 11, 2006

POSTAIS DE ESPANHA (3)

Durante a minha estadia em Espanha, rebentou o maior escândalo de dopping no desporto espanhol, tendo atingido principalmente o ciclismo, estando, neste momento, a serem investigados 58 ciclistas profissionais por terem recebido tratamentos dopantes.

O jornal “ El Pais “, através do seu caricaturista EL ROTO, ilustrou a situação, apresentando a “ Bicicleta Injectada “.

Um trio de técnicos de saúde, incluindo um hematologo que tinha tirado uma especialização no Centro de Transfusões das Forças Armadas, montou uma estrutura para tratamento e valorização do sangue dos desportistas.

Inicialmente, o sangue extraído aos desportistas, era centrifugado, lavado e os glóbulos vermelhos (os que transportam oxigénio) era conservado a 4ºC, depois de se juntar conservantes e anticongelantes. Esta técnica tinha no entanto um problema – o sangue só podia ficar congelado o máximo 42 dias.

Entretanto o trio conseguiu adquirir uma máquina, a ACP 215, que permitia manter congelados os glóbulos vermelhos a -80ºC, pelo que estes podiam ser aplicados novamente nos desportistas, mesmo depois de uma congelação de mais de um ano.

Este sangue congelado começou a ser conhecido no meio desportivo como “ Sibérias “

As “ Sibérias “ eram congeladas de uma maneira programada, com uma redução de temperatura de 1ºC/ minuto, até atingir os -80ºC.

O transporte destas “ Sibérias “ era um momento crítico. Normalmente eram utilizadas mochilas frigorificadas que tinham um sistema de conservação do sangue com base em neve carbónica O sangue transformado demorava 10 minutos a descongelar, sendo de seguida injectado nos desportistas.Com esta transfusão todo o sistema muscular via aumentada a quantidade de glóbulos vermelhos no sangue, melhorando o rendimento dos desportistas.

O trio cobrava 30.000 euros por temporada a cada desportista

Esta operação de desmantelamento da rede de dopagem foi desencadeada pela Guardia Civil e foi designada por “ Operacion Puerto “