quinta-feira, julho 27, 2006

RESERVAS ESTRATÉGICAS DE ÁGUA


Está em fase de discussão pública até ao dia 9 de Agosto o PNPOT (Programa Nacional da Politica de Ordenamento do Território.).

Os recursos hídricos e a política da água estão contemplados no PNPOT, pois trata-se duma questão essencial para a sobrevivência humana.Qual é a nossa qualidade de vida, quando ficamos privados de água durante 2 dias apenas?

A maioria da água doce (cerca de 70%) a nível mundial é utilizada pela agricultura, mas os sistemas de irrigação são, na grande generalidade, ineficientes, perdendo-se aproximadamente 60% de água, devido à evaporação, pois rega-se. muitas vezes às horas de maior incidência solar. Bastava melhorar as técnicas de irrigação na agricultura em 10% a nível mundial, para termos água suficiente para uso doméstico em todo o Mundo.

Portugal tem necessidade de 7,5 mil milhões de m3 anuais de água. Recorremos muito às reservas subterrâneas, particularmente em períodos de seca. A capacidade de armazenamento de água no País é ridícula, se a compararmos, por exemplo, com a Espanha. Temos mais água que a Espanha, mas confrontamo-nos com uma má gestão deste recurso e com falta de planeamento, o que se torna evidente, quando, neste momento, olhamos para o Alqueva, que está com uma excelente capacidade de armazenamento, mas os agricultores com propriedades ao lado da barragem, não podem aproveitar uma única gota.

Assim penso que:
- Devemos criar “ reservas estratégicas de água “, sobretudo nos rios nacionais, instalando albufeiras em vales encaixados (para tornar os custos de represamento mais baixos), nomeadamente nos rios e afluentes do Douro, Cavado, Vouga, Mondego e Zêzere. Estas albufeiras permitiriam o desenvolvimento de horto-fruticulturas de alto valor acrescentado, a promoção de actividades de turismo e lazer, o combate à desertificação e permitiriam um combate mais eficaz aos fogos florestais.

- Temos que ter uma gestão dos recursos hídricos, assente em 3 vectores:
- Gestão por bacias, para quantificar os ganhos e as perdas de água, desde a nascente e até ao lançamento no mar,
- Gestão por objectivos de qualidade, em função dos usos
- Gestão por normas de rejeição, evitando o lançamento de poluentes

- Temos que combater os desperdícios, pois perde-se 1/3 da água entre a captação e o consumidor final,

- Devemos iniciar nas Escolas uma campanha de sensibilização para poupar água. Se cada um de nós poupar 10 litros/dia, esse gesto representa, para Portugal, uma poupança diária de 100.000 m3.

3 Comments:

Blogger Zé Lérias said...

Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

1:36 da manhã  
Blogger Zé Lérias said...

Zé Lérias said...
Estou de acordo consigo.
Pena é que a maioria das pessoas não esteja sensibilizadas para esse probleme sério da àgua a nível mundial

1:37 da manhã  
Blogger Litgimar Ortega said...

Muy importantante muchos humanos no saben de lo importante que es el ahorro del agua , muchos piensan en si solo cuando hay otros países necesitan de agua .

3:30 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home