quarta-feira, agosto 23, 2006

Preço dos Produtos Agrícolas

No passado mês de Junho, uma queda de granizo atingiu a região de Carrazeda de Ansiães.

As videiras da região duriense foram fortemente danificadas, tendo acontecido o mesmo nos vários pomares de maçãs.

Um dos fruticultores de Carrazeda de Ansiães, em anos normais, costuma colher cerca de 600 toneladas de maçãs, numa sua propriedade com 17 hectares.

Este ano a produção, por causa do granizo, vai ter uma quebra de 60%.

Fiquei espantado com os preços pagos ao fruticultor pelas suas maçãs. As de boa qualidade, sem mazelas e com os calibres estipulados, são-lhe pagas a 0,25 euros/Quilo, enquanto que as maçãs de refugo são vendidas para Espanha a 0,05 euros/Quilo, destinadas às fábricas de sumos.

Comparei esses preços de maçãs de boa qualidade, com os preços afixados nos supermercados, no dia de hoje. Os preços sofreram um agravamento de 400 a 600%.

O desgraçado do fruticultor teve que podar as árvores, fazer os tratamentos fitossanitários, proceder à estrumação ou adubação dos terrenos, colher e embalar a fruta, para no fim receber uma migalha, quando se compara o lucro obtido pelos intermediários na comercialização.

O mesmo acontece com o vinho. O lavrador dificilmente vende vinho a mais de 1,5 euros/litro. Quando vamos a um restaurante, iremos pagar mais 500% por uma garrafa com apenas 0,75 litros.

Há dias, os jornais referiam, também, que o preço do peixe no consumidor final, é multiplicado por seis, entre a captura e a colocação no mercado.

No caso da agricultura, o esmagamento dos preços dos géneros alimentares produzidos, vai desmotivar os lavradores e, no futuro, vai provocar a desertificação e o abandono das terras.

Depois, no Verão, aparecem os incêndios, para dar cabo da nossa paisagem rural e da biodiversidade, devido ao abandono dos campos.

Entretanto, compramos 60% do que comemos, no estrangeiro!!!!!!